Entrevista: Amagat

Luiz Frederico é o nome por trás Amagat, um dos melhores projetos da cena nacional. O DJ que já se apresentou nos maiores festivais do Brasil, tais como: Universo Paralello e Soulvision, é o criador da festa Universence. Neste bate papo, ele conta um pouco da sua trajetória, detalhes da sua carreira, e como foi se apresentar na última edição do Mundo de Oz.

Marina Tavares em 07 de Agosto de 2016

Foto: Silvio Sato

Marina Tavares - Quando foi o seu primeiro contato com a música eletrônica e como isso se tornou algo a mais em sua vida?

Amagat – Primeiramente, venho saudar a todos os irmãos e irmãs do psicodelia.org, e agradecer pela oportunidade!

O meu primeiro contato com a música eletrônica foi logo na infância, através de fitas K7 (Techno e dub). Eu tinha algumas fitas onde gravava essas músicas, e arriscava os primeiros sets. Alguns anos depois, tive contato com instrumentos musicais (violão, baixo, guitarra, e percussão), e o gosto pelo rock psicodélico, grunge, hardcore, e heavy metal, me levaram a fazer parte de algumas bandas na adolescência. Nessa mesma época (por volta de 2000), foi quando conheci o trance psicodélico de Goa, e a partir daí, eu realmente havia descoberto uma forma musical que possuía infinitas dimensões e atmosferas, que realmente possuía capacidade de atingir pelo som, freqüências que acertavam os mais variados pontos cerebrais, de uma psicofísica inigualável, e de poder transcendental, como os sons ritualísticos/ tribais, porém, feita de uma forma digital/ tecnológica, se tornando "o som de uma tribo do futuro". Desde então, eu comecei a buscar informações sobre o movimento e a cultura trance, comecei a frequentar festas e posteriormente festivais, e toda essa “nova forma” da cultura alternativa e psicodélica me encantou... Hoje em dia, esse é o meu estilo de vida!

 

Marina Tavares - Como foi o início da sua carreira?

Amagat - Como todo início, nunca é fácil, comigo não poderia ser diferente! Sempre tive um grande envolvimento com a música, sempre gostei muito de poder me expressar dessa maneira, e a partir do momento que me identifiquei com o trance psicodélico, busquei me instruir e aprender sobre essa nova forma musical que tanto me encantava, eu nunca tinha visto nada igual! A maior dificuldade a princípio era conseguir as músicas, era muito difícil, não era todo mundo que já tinha ouvido falar de Psytrance. Eu já estava utilizando alguns softwares de produção para criar linhas de baixo, bateria, e solos para minha banda, e vi a possibilidade de focar agora em outra vertente musical. Comecei a fazer aulas, cursos, e a estudar sobre áudio. Estudei técnicas de mixagem, áudio, Ableton Live (IATEC), e física nos áudios (Departamento de Física PUC-RJ). A partir daí, eu comecei a produzir algumas coisas em casa, e a tocar em algumas festas, sempre priorizando eventos com propostas e um conceito diretamente focado no movimento alternativo. As coisas foram fluindo, e hoje estou aqui!

 

Marina Tavares - Como surgiu o projeto Amagat?

Amagat - Eu me formei em Ciências Sociais pela PUC-RJ, e estudei ciências políticas, sociologia e antropologia, mas apesar de curtir todas as disciplinas, sempre me identificava muito com a antropologia, e comecei a pesquisar sobre religiões arcaicas, modos de conexões ancestrais sagrados, até chegar especificamente no xamanismo, onde realizei alguns anos de pesquisas, e uma publicação.

Ämägät resumidamente, quer dizer: a alma de um xamã morto, ou um espírito celeste menor, atuando na percepção, visão, e despertar interior e cósmico, provendo força e ciência. Agindo como um mentor espiritual, um guia, um espírito protetor propriamente xamânico. O nome Amagat surgiu daí, e assim nasceu à ideia de um “projeto”, algo que ficará mais evidenciado quando de fato for 100% LIVE (pois ainda é um DJ SET, e por isso que acho o nome do projeto não muito adequado ainda, mas essa é a mensagem que busco levar para as pistas e para as pessoas, através da música! Por fim, surgiu nessa ideia, nessa conexão do cósmico e sagrado, música e dança, celebração e ritual, místico e transcendental!

Marina Tavares - Quem são as suas influências na música?

Amagat - Minhas influências são das mais variadas possíveis, sou uma pessoa que gosta de todo tipo de música, seja ela qual for. Os únicos critérios; ser boa, ter qualidade, e ser bem executada! Sou muito influenciado por músicas ancestrais, músicas étnicas, músicas psicodélicas, músicas clássicas, e por ai vai...  

 

Marina Tavares - Como você vê a cena eletrônica brasileira?

Amagat – Atualmente, nossa cena é uma das maiores do mundo, e isso é incrível! Acredito cada dia mais em sua evolução e amadurecimento, acho que tem tudo para ser algo mais consciente, sincero, e apaixonado do que já é! Ser mágica e mais bonita ainda, principalmente se for voltada cada vez mais para um foco alternativo, experimental, cultural, artístico, sustentável, ecológico, e esclarecedor... Isso, para mim, é o foco mais importante! Precisamos da consciência do público, e principalmente dos produtores de eventos, existe algo muito maior do que interesses particulares e autopromoção em tudo isso, muito mais do que apenas marketing e lucro, algo realmente imensurável e infungível, sendo o amor e o respeito os principais pilares!  Todo mundo tem o direito de fazer o que quiser da vida, no entanto, que seja feito com responsabilidade e ciência de que outros estão, às vezes, aprendendo com os seus exemplos, o que pode ser algo admirável, mas também preocupante, se não for feito de forma correta e verdadeira! Cheguem sempre para somar!

As sementes que plantamos são os frutos que retiraremos posteriormente... A semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória!

Foto: RaffaellW

Marina Tavares - Fale-me um pouco sobre a Universence.

Amagat - A Universence é uma idéia que surgiu em 2009. Eu sempre quis realizar algo que estivesse focado no movimento alternativo, e na cultura trance! Assim, no final de 2010, eu resolvi planejar uma pequena festa para ver como seriam as coisas, e em 2011 ela saiu. O foco inicial era essa proposta alternativa e psicodélica, mas, ainda estava um pouco diferente do que eu queria, porque tinha um grande agravante, o momento da cena da música eletrônica no estado do Rio estava bem afastado dessa ideia, e da minha proposta, o que dificultava ainda mais as coisas, existia uma grande carência naquele momento. Em 2012, iniciei um novo projeto com mais duas pessoas, mas ainda não estava da forma como eu sempre idealizei, e assim, no final daquele ano, resolvi dar início a esse “antigo” projeto chamado Universence!

O foco era trazer uma celebração 100% alternativa e psicodélica, buscando enfatizar totalmente a cultura trance! O Line-up com todas as vertentes do trance psicodélico, e uma proposta com atividades que pudessem de fato trazer tudo que movimenta essa ideologia, celebrações realizadas no interior, longe dos centros urbanos, e em lugares de total conexão com a natureza. E assim foi, aos poucos estamos nos adequando, acrescentando cada vez mais as coisas dentro das nossas condições e possibilidades, conseguindo mais adeptos, tendo o apoio do público, conectando cada vez mais as pessoas que se identificam com o que estamos fazendo! Tudo feito com muito carinho, amor, dedicação, e de forma 100% alternativa, com muita batalha e suor!

Bons frutos estão sendo gerados, estamos contribuindo e atuando para uma cena trance no estado do RJ desde sempre, e no ano de 2015 iniciamos uma parceria com o Universo Paralelo, Vagalume Records, e FFM Bookings, realizando a edição oficial: UNIVERSENCE - ROUTE 303 STAGE /RJ, que foi um absoluto sucesso. Neste ano, realizaremos novamente a edição em nossa data de costume, 8 de Outubro, e convidamos todos a estarem presentes!

Particularmente, eu fico muito feliz, e um tanto quanto realizado por esse reconhecimento, apoio, e por contribuir ativamente para a cena alternativa do meu estado, e também do país. Essa dedicação de quase oito anos vem dando certo, e atualmente, somos a maior open air aberta ao público no estado, possuindo esse foco totalmente voltado para cultura trance, sendo fundamental para modificar um pouco as coisas, e influenciar novas gerações.

Máxima gratidão a todos que lutam, sonham, e acreditam junto com a gente! Muito obrigado!

Foto: Uewerton Rhuan - Fotografia

Marina Tavares - Como foi se apresentar no Mundo de Oz?

Amagat - Me apresentar no Mundo de Oz é sempre fantástico, desde 2012 que tenho o imenso prazer de tocar no festival, e há dois anos, fui convidado a fazer parte dessa família, e também a integrar o time de artistas do festival (Oz crew). Para mim, é um grande orgulho, e imensa satisfação fazer parte desse verdadeiro clã de guerreiros. Somos uma família unida, não esmorecemos diante de nada, nós doamos de corpo e alma para somar e trazer arte, cultura e muita psicodelia para o público. Essa última edição em particular, foi uma das mais incríveis em minha opinião, e sei que cada vez mais, teremos edições perfeitas e melhores. Tocar naquela pista, e ainda trabalhar de stage manager com aquele time de artistas é algo inexplicável, além de toda confiança e carinho que a galera tem por mim! Uma felicidade e experiência que gastaria talvez a minha vida pra explicar (risos).

Marina Tavares - Se você pudesse escolher qualquer lugar no mundo para tocar, onde seria?

Amagat - São muitos lugares, existem festivais incríveis por todo planeta, mas, se tivesse que ser um lugar em especial, gostaria de tocar na Índia, no estado de Goa!

 

Marina Tavares - Gostaria de finalizar com uma mensagem para os seus fãs?

Amagat – Primeiramente, gostaria de agradecer todos, toda positividade, apoio, e por curtirem o meu trabalho. Gostaria de dizer que sou muito feliz por tudo isso, e em breve, está para rolar algumas novidades!

Uma mensagem que gostaria de deixar a todos de uma forma geral: Vamos nos unir de verdade, vamos somar de forma coletiva em prol de uma cena mais verdadeira e harmônica, madura e sólida, vamos cuidar do nosso corpo, e cuidar uns dos outros, saber nossos limites, buscar aprender e também a ensinar, focar no verdadeiro propósito e espírito de tudo isso, na dança, na paz, na celebração, na união, e acima de tudo, no amor e na preservação! Não precisamos de regras nem dogmas, se apenas uma única coisa for levada essencialmente em plena consideração, essa coisa se chama RESPEITO! Se cada um de nós fizer a nossa parte, as coisas assumirão uma trajetória mais bonita e feliz! O que fazemos em vida ecoa pela eternidade! Conecte-se pela consciência!

Seguimos na busca... Luz, paz, e proteção a todos!

Foto: Triphotos Digital

Conheça mais sobre o artista:

https://www.facebook.com/amagatmusic

https://soundcloud.com/amagat

 

Universence:

https://www.facebook.com/Universence

 

Comente!

Personalidades da cena falam sobre o Pulsar Festival e dão suas dicas, confira!
Antes de desembarcar no Brasil para o Solaris Festival, os alemães do Protonica conversaram com a gente, confira! (Interview available in English)
Entrevista com Pedro Carvalho, o criador do ZNA Gathering, que acontece bienalmente em Portugal. O festival tem o intuito de preservar e difundir a cultura Trance, afirmando-se como o maior festival Old School do mundo.
Saiba tudo sobre o evento que vai dar início a grande festa!

psicodelia_org

Instagram: @psicodelia_org