Review Solaris 2017

Confira vivência da nossa equipe durante os dias do Solaris 2017

em 27 de Julho de 2017

O Sol é sem dúvidas o nosso astro mais importante, é com a presença dele que sabemos que é hora de um recomeço, de um novo dia. Talvez inspirado nesse nosso tesouro astral que o nome Solaris surgiu, festival que iniciou sua história em 2001, e que por ironia talvez, ficou por algum tempo esperando assim como o Sol para renascer novamente.

O Solares festival “tree of life” escolheu como casa o Parque do Lago em Dourado/SP e teve início no dia 15 de junho de 2017 colecionando momentos incríveis para os visitantes até o dia 19 do mesmo mês.

Local

O local escolhido é simplesmente lindo, o sol brilhou todos os dias, e o frio predominou a noite fazendo com que a penumbra pintasse o lugar todo de cores mágicas. O Parque do Lago, como o próprio nome já diz, tem como cartão de visita dois lagos, cercados de uma vegetação desenhada. A grama bem cortada facilitava a locomoção em cada ponto do espaço. E para cada lugar que se olhava era possível tirar uma fotografia linda com os olhos.

O Acesso ao Parque foi muito tranquilo, não havendo dificuldade para se encontrar o festival, mas faltou um pouco de sinalização do acesso pela BR, até a portaria.

Dourado/SP ficava a poucos minutos de distância do festival, e por se tratar de uma cidade com uma quantidade grande de pousadas e restaurante facilitou muito a vida de quem gosta de um pouco mais de conforto.

Estrutura

Quero começar esse tópico elogiando e muito a organização do evento, foi simplesmente incrível, da recepção ao fim do festival, todos que trabalharam para o evento tinham uma energia linda.

Toda a estrutura do festival parecia calculada para o público que recebeu. Tudo era muito bem dividido, desde a entrada aos acessos do festival não se enxergava filas. O público tinha acesso rápido ao caixas e aos bares, não havia tumulto e nem demora para quem queria algo rápido sem perder nada da pista.

O marcante do Solaris, e o que realmente não podemos deixar de destacar nesse ponto, foi o sistema escolhido para o caixa. Cada visitante ao consumir qualquer coisa pela primeira vez adquiria um cartão magnético no valor de R$ 5,00 (cinco reais), fazia um breve cadastro com seus dados, e em seguida o carregava com a quantia que quisesse para gastar no festival. Talvez essa foi a peça chave para não ter havido filas durante o evento.

O bar foi beneficiado com esse sistema pois cada atendente de balcão tinha um aparelho que rapidamente lia seu cartão, escolhia o produto e ainda mostrava quanto o visitante ainda tinha de crédito, facilitando muito o controle pessoal e proporcionando uma segurança incrível.

Ao final se devolvia o cartão e recebia em troca uma agua.

O preço do bar estava bastante acessível, não variando muito de outros festivais vendendo agua a R$5,00 (cinco reais) e cerveja a R$6,00 (seis reais). Mas o principal era sua localização ao lado da pista.

A praça de alimentação ficava ao lado do Chill Out o que proporcionava uma tranquilidade na hora das refeições. O tamanho da praça de alimentação também foi suficiente para o público presente, com preços um pouco acima da média de outro festivais, mais nada tão exuberante que se possa chamar de ponto negativo.

Quanto a alimentação vale ressaltar que nós da equipe assim como outros visitantes, sentiu um pouco de necessidade de variedade para o café da manhã, o pouco de opção que tinha estava com preço um pouco salgado, não havendo frutas e comidas mais leves para essa hora do dia. O horário que as barracas abriam, por volta das 11hs, causou um pouco de desconforto por ser um pouco mais tarde comparado a outros festivais.
 

Camping

Nesse quesito o Solaris tirou de letra, o espaço escolhido em meio aos eucaliptos proporcionou não só sombra para os campistas como também um terreno mais plaino para a armação das barracas. O próprio espaço dividia o camping em ruas, as quais foram sinalizadas e muito bem iluminadas pela produção do evento.

Os banheiros ficaram em pontos estratégicos, não muito longe das pistas o que resultou em um acesso sem filas. Por serem banheiros químicos e pela quantidade de dias que durou o festival, não havia lugar melhor para eles por causa do odor.

Os chuveiros acumulavam filas em horários específicos como em todo festival, mais eram filas de curta duração, quanto a limpeza dos mesmos escutamos algumas reclamações por volta do quarto dia do festival, o que consideramos comum já que os mesmos foram construídos com reutilização de containers, e a constante movimentação de pessoas dificultava a limpeza, acumulando folhas e um pouco de lama no chão.

 

Main Floor

O palco principal era a primeira coisa que se via quando se chegava no festival, causando uma sensação de ansiedade ainda maior nos visitantes. Assim como já foi dito o tamanho foi suficiente para o público, proporcionando sombra e conforto a todos, o terreno era plano e limpo esse que por sinal permaneceu assim todo o festival. Não havia nada bio construtivo o que já era esperado pela proposta inicial do festival.

A tenda era linda com cores vivas muito bem posicionada, causava aos visitantes uma sensação de leveza pois seus desenho facilitava o contraste entre a tenda e o céu que permaneceu azul durante o dia e estrelado a noite.

Mas a noite houve uma necessidade muito grande de iluminação noturna, principalmente de luzes negras que com certeza iriam acender ainda mais as cores da tenda, e abrilhantar ainda mais esse evento lindo. Essa foi uma reclamação não só dos visitantes mais também de muito dos fotógrafos que cobriam o evento.

 

Chill Out

O Chill Out ficava depois de um lago que dividia as duas pistas e do lado de outro lago do parque, ou seja, era cercado por agua, o que deu a esse espaço outra roupagem. A noite tinha um espaço onde se acendia uma fogueira diária e os visitantes podiam se aquecer ouvindo um som mais tranquilo e relaxante.

Sem contar que havia também um bar ao lado do Chill Out, o que facilitava muito para a galera. E o mais legal e que a beira do palco e do lago se formava uma prainha onde os visitantes podiam se refrescar no lago a hora que quisessem.

 

Som

Simplesmente tinha uma qualidade incrível, claramente se definia os bass lines das músicas e se sentia toda a leveza das linhas de médio e agudo. Mesmo de muito longe da pista era possível sentir e ouvir toda a qualidade do som.

 

Line up

Para aqueles que não foram mas estavam antenados no evento já sabem que o line foi cuidadosamente selecionado para os amantes de Full on e Progressive. O festival contou com poucas alternativas para quem gosta de sons noturnos, mas em compensação trouxe para Dourados Dj’s que não deixaram nada a desejar em suas apresentações.

Grandes nomes da música eletrônica nacional e internacional abrilhantaram o evento como Altruism, Egorythmia, Symphonix, Hypnocoustics, yestermorrow, Undercover, Agneton entre outros.

Mais a pista se incendiou mesmo na sexta à noite e assim foi até o domingo, onde os sons melódicos e groovados dominaram o festival com destaque para Ritmo, Zen mechanics e para a apresentação performática de ninguém menos que Sinerider.

Domingo começou quente com Remember Trance que nos mostrou porque o Full on e tão amado e quando o dia estava para acabar Astrix chega e mostra para o que veio com uma apresentação explosiva e marcante como sempre.

Mas como nem tudo são flores devemos destacar que houve alguns atrasos no line o que deixou a galera um pouco perdida, mas de resto a construção sonora do line estava impecável.

 

Tenda de Cura

Como tudo foi muito bem posicionado com a tenda de cura não podia ser diferente, primeiro a área de massagem que ficou em um ponto elevado em cima do lago e de frente com o Chill Out e segundo por uma passarela que levava os visitantes até o meio do lago onde havia uma cabana própria para o relaxamento.

 

Espaço kids

Havia um espaço Kids com cama elástica e piscina de bolinha ficava ao lado da área de alimentação, e as várias crianças do festival aproveitaram bem o espaço. Mas a verdade é que todo o espaço era adequado para os pequenos, permitindo que famílias pudessem sentir-se confortáveis em qualquer lugar!

 

Arte

Talvez essa seja a parte mais linda de todos os festivais, é sem dúvida o que traz toda a magia por trás de tudo. O Solaris sem dúvida foi mágico, a feirinha mix ficou ao pé da pista principal e não deixou a desejar em nada, grande variedade de roupas e arte de todas as formas e cores.

Mais o que realmente foi marcante foram as apresentações artísticas e a interação delas com as crianças e com todos os envolvidos, quando menos se esperava acontecia uma intervenção que mudava completamente a forma de se enxergar o momento. Enchia de magia todo o local.

De alguma forma muito curiosa, o solaris foi um festival composto em partes de um público nunca havia ido a um festival de trance. Foi simplesmente lindo ver a transição que o público fez do primeiro ao último dia no que diz respeito a viver a experiência, sentir-se livre para dançar, e até na forma de se vestir e a cultura trance ecoou sobre todos de forma natural. Ao final, eram todos unânimes ao dizer que este foi o primeiro festival de muitos.

O Solaris conseguiu encantar um público que sem sombra de dúvidas estará presente na próxima edição.

Obrigado Solaris.

Texto feito em colaboração por Sander DiogoDelciaine Teles e Rodrigo Cabral

 

Mais Fotos:

  

Comente!

Confira vivência da nossa equipe durante os dias do Solaris 2017
Uma listagem riquíssima com projetos de todas as partes do mundo, confira!
12 tracks essenciais para os fãs do produtor holandês Zen Mechanics! E também para quem quer conhecer um pouco mais desse projeto maravilhoso!
Confira alguns dos melhores momentos do Ozora 2017!

psicodelia_org

Instagram: @psicodelia_org