Tracks em MP3 x WAV

Entenda as diferenças do formato de áudio

Camila Canabarro em 02 de Março de 2017

 

WAVMP3 são algumas extensões de arquivos que você provavelmente já ouviu falar e são muito utilizadas na cena eletrônica.

O áudio digital é usado por DJs de todo o mundo. Pela popularização imensurável do MP3 na última década, é comum considerarmos a extensão como a representação de um arquivo de áudio. Desde então, o formato vêm gerando comentários polêmicos quando é usado por artistas no momento em que estão no palco. O fato é que o MP3 não deixa de ser uma maneira de criar arquivos e música, aqui entenda porque ele é tão critiado.

Formatos digitais de áudio se dividem basicamente em dois grupos: não comprimidos e comprimidos. Os primeiros garantem qualidade máxima, pois não modificam nenhum bit do original, e como tudo tem seu lado ruim, esses formatos não comprimidos exigem um grande espaço. Um CD de áudio utiliza o formato CDDA (Compact Disc Digital Audio) e suporta 80 minutos de música, por exemplo. WAV e AIFF são exemplos de não comprimidos. Já os formatos comprimidos, comprimem dados com o intuito de diminuir o tamanho deles. Formatos como APE, FLAC e M4A são conhecidos como lossless e capazes de comprimir áudio sem perder qualidade.

Formato WAV

WAV é um exemplo de formato não comprimido que utiliza o método PCM, muito utilizado na cena eletrônica.
WAV é a sigla para Waveform Audio File Format, e foi desenvolvido pela Microsoft e IBM para armazenamento de áudio em PCs. É baseado em PCM e não “sacrifica” dados, portanto exige bastante espaço. Em média, ocupa até 10 MB por minuto. É compatível com praticamente qualquer tocador atual. Pela qualidade máxima, é indicado para edições, mixagens e trabalhos profissionais.
Como limitação, arquivos nesse formato não podem ter mais que 4 GB. As extensões comuns são WAV e WAVE.

Compressão sem perder qualidade

Há formatos que conseguem comprimir dados sem sacrificar qualidade, caso do M4A, APE e FLAC. Eles são conhecidos como lossless ou sem perda, em tradução livre. Esses formatos são como uma ponte entre qualidade e comodismo, pois são capazes de manter a qualidade original e inalterada em menos espaço do que WAV ou AIFF.

Formato MP3

Sem dúvidas, o MP3 é o formato mais popular, compatível com tudo o que é software e player de mídia. Criado na Alemanha, o formato utiliza a codificação perceptual, ou seja, codifica somente as frequências sonoras captadas pelo ouvido humano.

O MP3 popularizou o compartilhamento de músicas. A razão do sucesso do MP3 é o fato de conseguir equilibrar bons índices de compressão e qualidade. Há, sim, a perda de qualidade se comparado com o original, mas em níveis praticamente imperceptíveis para a maioria dos usuários em stiuações do dia-a-dia. O MP3 chega a criar arquivos com 10% do tamanho de arquivos PCM.

MP3 chega ao máximo de 320 kbps. Entre 192 kbps e 320 kbps, a qualidade é comparável a um CD. Entre 128 kbps e 192 kbps.

fonte

 

[UPDATE]

O Nuninho escreveu uma resposta bem extensa para esse post lá no Facebook. Confira:

Faz algum tempo que eu estava querendo discutir sobre isso, e como fiz uma resposta para um artigo que falava sobre Wav x Mp3, resolvi escrever aqui para vocês DJ`s lerem e pensarem um pouco.

Vou fazer isso porque já vi muito DJ tocar altas músicas iradas, mas devido a qualidade da música estar ruim, acabar com toda a emoção da mesma na festa.

Segue texto que coloquei no artigo:

Para tirar a MINHA prova real deste debate de Wav x Mp3, sem depender de artigos de internet, eu fiz 2 testes:

Primeiro teste, eu comprei do BeatPort a MESMA música em Wav e em 320kbps, sim comprei ela 2 vezes, fiz assim porque na teoria comprando do site o 320kbps vem da Wav original, e deveria (se fossemos escutar os defensores de mp3 320kbps) ser a mesma coisa.

Como possuo um sistema de som que faço locação, consegui realizar 2 testes que me tiraram de vez esta dúvida. Primeiro, coloquei a música em wav pra tocar e aumentei até o ponto EXATO antes dela clipar no mixer, e fui me distanciando aos poucos até quase não escutar mais a música. Aí fiz a mesma coisa com a mp3 320kbps.

Minha primeira surpresa, eu coloquei o mp3 tocar SEM alterar o volume de quando estava tocando a wav, e o que aconteceu? Quando dei play no mp3, ela já começou a clipar um pouco, e na wav isso não tinha acontecido, estava no ponto exato antes de clipar e não clipou. Ou seja, aí vem o primeiro problema do mp3, para ficar no mesmo volume da wav você precisa dar um pouco mais de ganho, e se você está tocando numa festa com sound system poderoso, e com um bom técnico de som cuidando, se o dj antes de você estiver tocando com wav, no limite sem clipar, e você entrar de mp3 depois dele, e o técnico não deixar você clipar, se o técnico não deixar você aumentar um pouco o ganho, teu som será mais baixo que o som do dj anterior, e isso será frustrante pro público e para você! E se você clipar, se o técnico deixar, você já sabe o que significa clipar né? Clipar é sinônimo de DISTORÇÃO!

Segunda coisa que percebi, nas altas distâncias, quando ia me distanciando do som, dava para perceber uma diferença nos detalhes das músicas, coisa mínima sim, mas dava pra perceber!! Isso que meu som não é nada absurdo, a diferença destes detalhes em sound systems poderosos é muito maior.

Segundo teste, eu já sabia a resposta, mas fiz mesmo assim, peguei a mp3 e converti em wav. Aconteceu a mesma coisa que se tivesse tocando a mp3, não mudou nada.

E eu já passei por outras situações também que me fizeram definitivamente só tocar wav, e todas compradas. Já aconteceu de eu entrar tocar em festas e o dj anterior vim reclamar que eu aumentei o som, e eu apenas mostrar no mixer que estava exatamente onde ele deixou (em algumas vezes até abaixei). Já aconteceu também, do próprio técnico do som vim e achar que eu aumentei, e daí ele verificar no mixer que estava absolutamente igual ao dj anterior. A diferença era apenas na qualidade das músicas, eu usando wav e o anterior mp3.

Além disso, ainda inicia aqui uma nova discussão: a maioria das pessoas que usam mp3, baixam as músicas da internet, ou seja, além de estarem praticando pirataria, ainda estão pegando músicas que não sabem a origem, não sabem se o mp3 veio direto da wav original, ou se veio falhada de qualquer outra fonte, aí a situação piora ainda mais! A música pode ter sido convertida do Youtube para Mp3, por exemplo!!

E vamos combinar né DJ´s... se você é DJ, e você baixa música da internet para tocar, sem pagar por ela (pirataria), você está desrespeitando a sua própria classe!!! Você já usa as músicas de outros artistas em suas apresentações, então que tal respeitá-los e comprar as músicas deles ao invés de usar da pirataria?

Desta forma, você compra em wav, garante qualidade máxima em seus sets, e ainda respeita o produtor e a sua classe.

Resolvi escrever isso buscando ouvir mais sets de qualidade em festas e festivais, porque nada é mais frustrante que aguentar 1 hora ou 1 hora e meia de um SET que a qualidade sonora é ruim. Não to falando do tipo de som ou das tracks escolhidas, mas sim da qualidade das mesmas!

 

 

Comente!

Conheça o trabalho de um dos maiores nomes da cena atual.
O Psicodelia preparou uma série de tracks apenas com os artistas dessa edição, confira!
O artista revela seu lado melódico, confira!
Em semana cheia de novidades, organização do evento anunciou o primeiro grande nome do line up
A agência Brasil Oriente encerra amanhã as vendas promocionais, confira!

psicodelia_org

Instagram: @psicodelia_org