Entrevista exclusiva: MODUS mostra em seu novo álbum que tempo e espaço são uma questão de perspectiva

"The Future IS Behind Us" saiu em Abril de 2021 pela Stereo Society de Israel
Publicado em 19/07/2021 - Por Salomão Augusto

Eu não tenho como começar essa matéria sem relatar meu contato imediato com esse extra-terrestre em primeira pessoa:

Dia 01º de Janeiro de 2020. 8 horas e alguns minutos da manhã. Ituberá, Bahia, Brasil.

Esse foi o exato momento cravado que Modus (DM7), até então um mero ‘newcomer’ abrindo pro experiente Phaxe,  subiu ao palco do maior festival de Psytrance da américa latina: o Universo Paralello.

Esse momento está latejando na cabeça e nos ouvidos de muita gente que ali estava presente durante aquela primeira manhã de um ano que até então parecia ser um ano promissor. Eu até hoje não consigo esquecer.

Até então eu não conhecia o tal artista, fiquei curioso e fiquei na pista, pois esperávamos a sequência matadora do primeiro dia do ano em baixo do grande pavão do main floor do último UP.

Fiquei hipnotizado durante toda a sua apresentação.  Fui surpreendido imensamente com o poder e com a grandiosidade do seu som.  Minha turma ainda queria o Phaxe, mas eu não conseguia esquecer aquele set.

Fui para Salvador terminar as missões de logística com o som reverberando na cabeça e tentando lembrar qual era aquela track que me dava a impressão de ter ouvido ‘UM, DOIS, TRÊS, QUATRO” e um sino beeeeem agudo antecedendo o drop. Depois de muito buscar, eis que ela surge: era a Drumville, collab com o Freedom Fighters.

Desde então, não consigo mais parar de ouvir e buscar mais sobre o projeto até que o coração encheu novamente com o anúncio de seu primeiro álbum com 9 tracks inéditas. ‘The Future Behind Us’ saiu no último dia 23 de Abril e já pode ser considerado um dos melhores álbuns psicodélicos de todos os tempos. O álbum conta com a collab suculenta entre ele e o FF, a faixa ‘Soph’ e outras 8 curiosas composições

Modus não tem décadas de carreira, mas tem a bagagem sonora e técnica de um artista completo. Tendo seu início em 2017 lançando seu primeiro single pela eterna HOMmega Records, ele tem um catálogo admirável desde então.

Passou pela Nano Records e hoje é um dos artistas do casting da família Stereo Society.  Seu som já o levou para lugares como Ozora, Antaris, Esoteric e outros marcantes, além do próprio #UP14

Mais de 1 ano depois da sua passagem pelo Brasil, lá vamos nós para uma conversa de descobertas por esse universo sonoro excitante criado por Asaf Tsemach. Espero que vocês estejam com a mesma empolgação que eu estou ao fazer essas perguntas pra esse artista incrível. Acompanhe abaixo:

🎧 Leia a entrevista ouvindo o álbum na íntegra abaixo

Olá Asaf! Obrigado por nos receber para essa conversa. Você que vem do futuro, como chegou até aqui?

M: Com meu carro voador, é claro.

Seu álbum é uma verdadeira sessão de transe. Como foi o processo de ligação e ordenação entre uma faixa e a outra?

M: Antes de encomendar o álbum inteiro, eu queria ter faixas não psicológicas para o início e o fim do álbum – algo interessante para o ouvinte envolvendo toda a experiência. A 2ª faixa do álbum e 1ª faixa do Psytrance é ‘Visitors’. Para mim, foi a faixa mais fácil de digerir como ouvinte antes de ir para a toca do coelho. A partir da 3ª faixa, as coisas começam a ficar mais profundas, com mais detalhes e menos abordagem de pista de dança em algumas das faixas. Na 6ª faixa, a energia começa a voltar até o final do álbum, que é como eu amo construir meus sets de DJ.

Quando você teve o estalo de assumir a responsabilidade enquanto artista de trazer um álbum inteiro ao mundo?

M: Depois de escrever ‘Pac-Man Theory’ eu senti que era hora de começar a pensar em escrever um álbum. Mas muito antes de eu saber que, como músico, você tem que apresentar seu próprio álbum como uma imagem melhor de si mesmo para seus ouvintes, é como dizer ao mundo: “Este é quem eu sou”. É muito mais pessoal do que um single ou um EP.

Eu tenho certeza de ter sido fisgado pela ‘Visitors’ no meio do seu set no Universo Paralello. Quanto por cento do álbum já estava pronto naquele momento?

M: Comecei a trabalhar no álbum no quarto trimestre de 2019. Lembro-me de tocar ‘Visitors’ e ‘The Future is Behind Us’ no Universo Paralello e foi no momento perfeito porque essas eram as primeiras versões dessas faixas e eu estava tão ansioso para reproduzi-las já. Sorte que estava pronto para UP porque não há lugar melhor para testar novas músicas.

Seu baixo ‘roll’ e sua composição de leads e drones é um verdadeiro banquete psicodélico. Como é o seu processo de criação desde a faísca da track até a master?

M: Escrever as primeiras 3 faixas foi a coisa mais fácil para mim. Tive uma explosão de inspiração por algumas semanas logo quando comecei a trabalhar no álbum, acho que foi toda a emoção desde o início do processo. Aí o COVID começou e eu estava sem ideias, era difícil para mim encontrar inspiração naquela época, então essa foi a parte mais difícil. Há também o material técnico que sempre me leva muito tempo. No geral foi divertido e muito desafiador.

Ultimamente existem alguns artistas que estão adotando essa roupagem ‘Tech’ entrelaçada ao Psytrance como o próprio Freedom Fighters, Out Of Orbit e Dekel. Como você enxerga esse movimento?

M: Algumas pessoas chamam de estilo ‘Square Bass’ que é basicamente o formato da wavetable usada para fazer o som do baixo para algumas das faixas, mas eu também acho que esse “estilo” tem mais espaço para criatividade e eu me sinto menos confundido pelas regras do Psytrance tradicional. Acho que todos os nomes que você acabou de mencionar são influenciados também pelo trance da velha guarda, e não apenas pelo Techno. Se você ouvir as raízes da música trance, soou bem mais solto, tinha mais profundidade do que a música de hoje e foi super psicodélico na minha opinião. Para mim, é uma grande fonte de inspiração.

Quais são suas principais inspirações e fontes de referência sonora hoje?

M: Minha maior inspiração é provavelmente o Infected Mushroom – as coisas mais antigas. É como uma celebração em meu cérebro toda vez que ouço ‘Converting Vegetarians’ e ainda me incomoda até hoje.
Existem mais artistas que tiveram seu impacto na minha música, como Art Of Trance / Union Jack, Hallucinogen, Man With No Name e a lista continua … Cada um desses artistas teve seu efeito na minha música de alguma forma e é literalmente o que ‘The Future Is Behind Us’ representa – A forma como as inspirações do passado moldam o futuro.

Do início do seu álbum até o final, você vai da calmaria a euforia (literalmente), indo dos 90 aos 170 bpm como se fosse um carro de F1 atingindo de 0 a 100km em poucos segundos. O que explica essa progressão?

M: Primeiramente, eu queria criar um álbum diversificado, sem BPM ou limitação de gênero. Eu queria que as pessoas ouvissem todo o espectro do Modus.

Não quero falar sobre rótulos aqui, mas não consigo definir seu som ainda, mesmo tendo escutado por horas e horas. Você tem um nome pro som que você faz?

M: Quando as pessoas me fazem essa pergunta, geralmente digo apenas Psytrance, mas não acho que todos os artistas de um determinado gênero realmente se encaixem nesse chapéu. às vezes me inspiro no Goa Trance e às vezes me inspiro no Glitch ou House e até na música pop dos anos 90 e isso tem um impacto na minha música. Resumindo a história – Psytrance com vibrações Oldschool e uma abordagem moderna.

Seus baixos são muito marcantes. Existe um segredo por trás dessa programação?

M: Isso está relacionado a algo que ouvi recentemente em uma antiga entrevista com Frank Zappa – “Bem, aqui está o segredo – há 2 coisas que você tem que fazer, uma delas é não parar e a outra é continuar . “E vou explicar como isso se relaciona com meus baixos ou música em geral – leva horas e dias e semanas e meses e anos de aprendizado sem fim, ajuste fino e experimentação. Depois de um tempo, você provavelmente chegará a um ponto em que se sentirá bem com o que está fazendo. Você também deve entender que não há um ponto final onde você chega e sabe tudo porque é impossível, você só fica melhor com o tempo. Portanto, o segredo é que não há segredo, apenas continue.

Existe uma afirmação que é atrelada a tecnologia e desigualdade social que diz assim: O futuro já chegou, ele só não foi igualmente distribuído. Essa afirmação faz sentido pra você?

M: Isso faz totalmente sentido. Basta olhar para trás, porque o futuro ficou para trás.

É muito ruim ouvir seu som e (ainda) não ter uma pista pra poder senti-lo como deve ser aqui no Brasil. Como vocês enxergam esse retorno da normalidade aí de Israel?

M: Em primeiro lugar, realmente me entristece ver quantas pessoas perderam suas vidas ou seus entes queridos e oro para que o Brasil volte à vida normal novamente o mais rápido possível. Aqui em Israel, é como viver em dois mundos diferentes, todos estão obviamente muito felizes por voltar aos trilhos. Espero que as coisas sejam as mesmas no Brasil para que possamos todos nos reunir e festejar como devemos.

O que a psicodelia tem de contribuição ao mercado da música em geral pra você?

M: O psicodélico mostra lugares em sua mente que você nunca visitou antes, faz você pensar e agir de forma diferente, faz a música soar diferente e isso afeta a indústria de uma forma que estende os limites da música e é uma chave para a evolução da música na minha opinião. Acho que essa também é a essência do Psytrance e da música psicodélica em geral, é uma jornada sem mapa e é assim que você encontra os lugares mais especiais 🙂

Entrevista também em inglês

Hello Asaf! Thanks for having us! We can say you came from the future, how did you get here?

M: With my flying car of course.

Your album is a real trance session. How was the linking and ordering process between one track and other?

M: Before ordering the whole album I wanted to have non-psytrance tracks for the beginning and the ending of the album – kinda like interesting treats for the listener wrapping the whole experience together. The 2nd track of the album and 1st Psytrance track is ‘Visitors’. For me, it was the easiest track to digest as a listener before going down the rabbit hole. From the 3rd track, things start to get deeper, with more details and less dancefloor approach on some of the tracks. On the 6th track, the energy starts to kick back in until the end of the album which is kinda like how I love to build my DJ sets.

When did you realize the importance as an artist to bring an entire album into the world?

M: After writing ‘Pac-Man Theory’ I felt like it’s time to start thinking about writing an album. But way before I knew that as a musician you have to present your own album as a better image of yourself to your listeners, it’s kinda like saying to the world: “This is who I am”. It’s much more personal than a Single or an EP.

I’m sure I got hooked by ‘Visitors’ during your set at Universo Paralello. How much percent of the album was ready at that point?

M: I started working on the album in Q4 of 2019. I remember playing ‘Visitors’ and ‘The Future is Behind Us’ at Universo Paralello and it was in perfect timing because these were the first versions of those tracks and I was so anxious to play them already. Lucky it was ready for UP because there is no better place to test new music.

Your ‘roll’ bass, leads and drone composition is a true psychedelic feast. How was the creation process from the first step to the final master?

M: Writing the first 3 tracks was the easiest thing for me. I had a burst of inspiration for a couple of weeks right when I started working on the album, I think it was all the excitement from the beginning of the process. Then COVID started and I was drained out of ideas, it was hard for me to find inspiration at that time so that was the hardest part. There’s also the technical stuff which always takes me a lot of time. Overall it was fun and very challenging.

There are some artists who are adopting this ‘Tech’ clothing intertwined with Psytrance like Freedom Fighters, Out Of Orbit and Dekel. How do you see this movement?

M: Some people call it a ‘Square Bass’ style which is basically the shape of the wavetable used to make the bass sound for some of the tracks, but I think also that this “style” has more room for creativity and I feel less tangled by the rules of traditional Psytrance. I think that all of the names you just mentioned are influenced also by old-school trance rather than just Techno. If you listen to the roots of trance music it sounded way looser, it had more depth than today’s music and it was super psychedelic in my opinion. For me, it’s a great source of inspiration.

Who are your main inspirations and sound reference nowadays?

M: My biggest inspiration is probably Infected Mushroom – the older stuff, It’s like a celebration in my brain every time I listen to ‘Converting Vegetarians’ and it still gets me until today. There are more artists who had their impact on my music such as Art Of Trance/Union Jack, Hallucinogen, Man With No Name and the list goes on… Each one of these artists had their effect on my music in some way and it is literally what ‘The Future Is Behind Us’ stands for – The way inspirations from the past shape the future.

From the beginning of your album to the end, from calm to euphoria (literally), going from 90 to 170 bpm like an F1 car reaching from 0 to 100km in a few seconds. What explains this progression?

M: Mainly, I wanted to create a diversified album, without BPM or genre limitation. I wanted people to hear the whole spectrum of Modus.

I don’t want to talk about styles here, but I couldn’t define your sound yet, even though I’ve been listening for hours and hours. Do you have a name defined for your sound?

M: When people ask me this question I usually just say Psytrance but I don’t think that all artists of a certain genre really fit that one hat. sometimes I get inspired by Goa Trance and sometimes I get inspired by Glitch or House and even 90’s pop music and it has an impact on my music. Long story short – Psytrance with Oldschool vibes and a modern approach.

Your basses are very striking. Is there a secret behind it?

M: This kinda relates to something I heard recently in an old interview with Frank Zappa – “Well, Here’s the secret – There are 2 things that you have to do, one of them is to not stop and the other one is to keep going.” And I’ll explain how it relates to my basses or music in general – It takes hours and days and weeks and months and years of never-ending learning, fine-tuning and experimenting. After a while, you will probably get to a point where you feel kinda ok with what you’re doing. You must also understand that there is no ending point where you get and you know everything because it’s impossible, you just get better with time. So the secret is that there is no secret, just keep going.

There is a statement that is linked to technology and social inequality that says like this: The future has already arrived, it just wasn’t evenly distributed. Does this statement make sense to you?

M: This totally makes sense. You just have to take a look back, because the future is behind you.

It’s very sad to hear your sound and still not having a clue how would you feel it on the dance floors in Brazil. How do you see this return to normality in your country?

M: First of all, It really tears me up to see how so many people lost their lives or their loved ones and I pray for Brazil to get back to normal life again as soon as possible. Here in Israel, it feels like living in two different worlds, everyone is obviously really happy to get back on track again. I hope things will be the same in Brazil so we can all gather and party together as we should.

What does psychedelia have to contribute to the music market in general for you?

M: Psychedelics shows you places in your mind that you haven’t visited before, it makes you think and act different, it makes music sound different, and this affects the industry in a way of stretching the boundaries of music and it is a key to the evolution of music in my opinion. I think that this is also the essence of Psytrance and Psychedelic music in general, It’s a journey without a map and that’s how you find the most special places 🙂

Siga os próximos passos de MODUS aqui:

DM7 Group Spotify | Instagram

Receba nosso conteúdo
direto no seu email

Cadastre seu email e receba toda semana nossos conteúdos e promoções! É grátis!

1
    1
    Sua cesta
    Caneca Fullon Morning Old School
    1 X R$29,90 = R$29,90