Boom Festival - uma celebração além do lineup

Organização reforça o conceito por trás do festival em mensagem à sua comunidade

Eliel Cezar em 11 de Janeiro de 2018

Essa semana a organização do Boom Festival enviou uma mensagem a todos os que estão, de alguma forma, envolvidos com o evento. Nela, eles reforçam os conceitos que permeiam as origens e história do festival. Confira:

Queridos Boomers,

Aqui, do Boomland, temos uma visão clara da montanha mística de Monsanto. Os registros históricos da presença humana nessas partes remontam aos tempos paleolíticos.

Não podemos deixar de nos perguntar o que nossos ancestrais estavam fazendo nessas terras: caçar de dia e cantar músicas ao redor do fogo à noite sob um céu estrelado ao som de tambores ou outros instrumentos. É como se eles recepcionassem os espíritos e toda a comunidade se unisse para uma dança.

Durante esses tempos, talvez um xamã teria orquestrando os sons e a música. Enquanto isso, um ancião contava histórias, convidando a todos para participar desse ritual coletivo.

Hoje, na mesma área, celebramos o Boom Festival. Continuamos a honrar festivais de transcendência nessas terras. Em vez de xamãs, temos bandas, DJs e live acts. Nossos contadores de histórias são os palestrantes ou facilitadores, e a comunidade que reunimos, é internacional. Então, não somos apenas da área da Monsanto, mas de todo o mundo.

Não havia lago naqueles dias - mas sim, continuamos a dançar sob um céu bonito, enquanto a topografia em torno de nós continua a mudar ao longo do tempo.

Os dançarinos celebram sua vida, seu amor, sua sexualidade; eles descobrem a interligação da existência. Muitos cultuam o momento através de ioga, práticas de bem-estar, artes, oficinas ou meditação, enquanto alguns estão ali simplesmente para aproveitar, as pessoas, a natureza, a vibração - o estado de espírito de Boom.

Sabemos que música e som podem afetar tremendamente nosso estado de espírito coletivo e têm o poder de nos conectar com dimensões místicas. Um excelente DJ, uma banda ou um produtor podem mudar a vida das pessoas em um piscar de olhos. Eles são capazes de compartilhar emoções, nos entender e ajudar a nos direcionar para um lugar melhor.

Mas o mesmo pode ocorrer com grandes palestrantes, pensadores, ativistas, filósofos e guias espirituais. Quando nas mãos de um mestre, os elementos de emoção, razão e conhecimento se tornam ferramentas da comunhão espiritual.

O Boom não é sobre o line up

Compreendemos que há uma certa emoção para saber quem estará tocando em qual palco e quando. Quem está tocando? Quem falará em uma palestra? Quem vai dar uma oficina? Quem fará a decoração? É algo que todos nós naturalmente nos acostumamos a ouvir ao longo dos anos. No entanto, o Boom também é feito de tesouros escondidos, pequenos cantos, jardins detalhados, grande arte, fascinante arquitetura temporária, natureza deslumbrante, projetos ecológicos e uma vibração humana muito específica ...

A idéia de comunhão é o que nos impulsiona. Não há fronteira entre artista e público; não há headliners. A experiência do Boom é sobre ser o Boom, não apenas observar. Não é sobre  DJs.

Não negamos que a música e o resto da programação oficial são os principais totens do Boom. Muito se dedica a escolher o melhor alinhamento de sons em todos os quatro palcos. Nós vamos longe para dar a vocês um lugar para conhecer artistas e palestrantes conhecidos e novos.

No entanto, também reconhecemos e apreciamos que muitos colaboradores e Boomers entendem que o Boom é um multiverso e que a música é apenas um componente disso. E que também exploramos as ilimitadas possibilidades da arte; levando-nos a uma jornada fascinante através da prática do bem-estar, enquanto nos nutrimos com uma miríade de atividades de aprendizado.

Esta experiência multidimensional é refletida por uma programação cultural diversificada. Com curadoria em áreas como Being Fields, Liminal Village, Eco Tech Hub e com a ONG Django, bem como o espaço de dança Nataraj. Enquanto isso, o conceito visual da Boom é projetado pela magnitude das instalações de arte em todo os espaços, e no Museu de Arte Visionária.

Em 2016, tivemos um total de 895 músicos, artistas, palestrantes e dançarinos. Todos e cada um deles contribuíram para uma programação que misturou projetos populares e underground; representantes da nova geração versus old school, trabalhos conhecidos versus criatividade inexplorada.

A co-criação é um modus operandi que permite que o Boom seja um espaço de expressão artística e liberdade para sua comunidade. Convidamos todos os Boomers a divulgar suas idéias e iniciativas! O Boom é um reflexo de seus próprios participantes. É possível participar em todas as áreas do festival - você pode encontrar os formulários de inscrição AQUI.

Nós agradecemos e apreciamos sua paixão e entusiasmo pelo Boom 2018. A programação será anunciada com antecedência para lhe dar tempo para explorar tudo o que você vai encontrar no Boomland durante a lua cheia de julho. Mais informações podem ser encontradas AQUI.

Até lá, continuaremos olhando para a magnífica montanha de Monsanto e imaginando nossos antepassados ​​vivendo, amando e adorando a vida dentro dessas terras místicas.

Com amor e gratidão,
A Equipe do Boom

Saiba Mais

Comente!

A compilação conta com grandes nomes, tais como: Eat Static, Ajja & Tristan, e muito mais!!!
Evento ocorre no Complexo Music Park com mais de 30 atrações e volta do palco dedicado ao Psytrance
O ícone do psytrance está de volta a Curitiba!
Em novo espaço, o festival de música eletrônica da Chapada Diamantina aguarda 1,5 mil pessoas em Piatã (BA), próximo ao pico mais alto do Nordeste, entre 2 e 11 de janeiro
Uma entrevista que fiz com Sator Arepo durante sua passagem pelo Universo Paralello Festival 14. / An interview I made with Sator Arepo during his passage through Universo Paralello Festival 14.